Analitcs

Pesquisar no conteúdo do blog.atlabs.com.br

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Contos da TCP - Conto 04 - Homem Muquirana, Avarento

Reações: 
Retirado de: http://contosdecris.blogspot.com.br/2014/12/conto-homem-muquirana-avarento.html

Este é o famoso “mão-de-vaca”, “pão-duro”. Aquele que só não rói o cotovelo pq não

o alcança.

Um dia, namorei um rapaz que adorava carros, principalmente aqueles modificados.

Ele tinha um fusca, e investia bastante nele.  Já havia gasto praticamente o valor do

carro em pintura que era importada, rodas e acessórios. Tudo nele era modificado e da

mais alta qualidade.

Acontece que seu amor por aquele objeto era tanto que ás vezes ele deixava de sair

para não sujá-lo. Foi isso mesmo que você acabou de ler!

Quando ele lavava o carro, opaaaaa, lavar não, ele dava banho no carro! Usava um

shampoo especial, esponja nova, e passava em cada parte delicadamente, em

movimentos circulares. Depois o secava com uma toalha felpuda de cor clara, sem

pressionar demais, e para terminar, passava um pretinho nas rodas e dava um selinho

no capô. Então, o precioso era guardado na garagem, e não saía de lá pra nada, nem

em caso de emergência, pra não sujar ou molhar.

Eu até poderia aturar suas manias, mas a sua mesquinharia era algo intolerável!

Este meu namorado não me presenteava em nenhuma data importante, sempre com

a desculpa de que evitava o consumismo.

Estávamos com 3 meses de namoro quando chegou o dia dos namorados, e eu era só

expectativa e ansiedade! Tinha preparado uma surpresa em casa, fiz um jantar todo

especial e comprei um presentão. Durante o dia trocamos alguns telefonemas e ele

também se mostrava estar ansioso para a noite chegar! Eu passei o dia imaginado o

que iria ganhar, pois nos conhecíamos á pouco tempo e ele teria que investigar,

procurar me conhecer um pouco mais. Eu estava curiosíssima!

 Finalmente a noite chegou, quando fui recebê-lo no portão, reparei que ele estava

bastante elegante e cheiroso, mas sem nenhum embrulho em mãos, concluí que

tivesse preparado alguma surpresa. Jantamos e ele sempre fazendo elogios sobre a

comida. Entreguei o seu presente, ele agradeceu com um sorriso imenso, me fazia

carinho e mais carinho, e as horas foram passando... se me lembro bem acho até que

ele dormiu por lá. E não falou nada sobre  o meu presente! E eu continuava a pensar

que realmente ele teria  preparado alguma surpresa, mas como  ele não falava nada,

não tocava no assunto, eu não aguentei de tanta ansiedade e perguntei, sem jeito e

envergonhada onde estava meu presente do dia dos namorados! Sabe o que ele

respondeu? Meu amor, tivemos uma noite linda, estamos apaixonados, eu quero você  

cada dia mais e mais. Somos amigos, amantes e quero ser pra você TUDO que você não

teve e ainda mais, quero ser seu companheiro e cuidar de ti. Você quer presente melhor

do que isso, do que estamos recebendo um do outro?

Me amarrota que estou passada!!! Fiquei bege, sem reação!

Eu não tinha associado tudo isso a mesquinharia porque eu ainda não conhecia bem a

família dele e suas responsabilidades. Eu só sabia que a mãe não trabalhava, moravam

ele, a mãe, o irmão mais novo e o pai.

Quando íamos ao shopping, ficávamos dando voltas e olhando as lojas, o tempo

passava e ele não sugeria para fazermos um lanche, ou tomar um sorvete. Eu é que

perguntava se ele queria comer ou beber algo, e ele sempre recusava, eu acabava

ficando sem graça e saímos sem tomar uma simples coca-cola.

Logo chegou o meu aniversário, e mais uma vez fiquei esperando alguma surpresa ou

presente, mas o que recebi foi um beijo e a desculpa de que não havia comprado nada,

porque eu merecia as estrelas do céu por ser tão especial, e que todos os dias era o

meu dia, e não apenas aquele 07 de agosto. Tradução: Sou um tremendo mão de vaca

e por isso não comprei nada pra  você, nem uma mísera caixa de bombom e ainda vou

dar a maior desculpinha deslavada porque passo óleo de Peroba na cara ao invés de

hidratante!

Então, chegou o aniversário dele, e é claro, acabei comprando um belo presente.

E eu acabava cozinhando em casa para nós dois, já que nunca rolava um jantar fora.

Eu morava sozinha, então ele acabava passando o final de semana comigo. E

literalmente, comia, bebia e dormia, nunca o vi comprar pão para o café da manhã.

Fui percebendo que ele nunca tinha dinheiro para a gente sair, mas sempre que surgia

a oportunidade de sair com seus amigos para algum posto de gasolina ou algum

evento sobre carros, ele ia. Se reuniam em postos de gasolina e até rolava um “racha”

entre os carros, e o assunto era sempre o mesmo, carros, carros, e carros! I

O dia que chegou a feira do automóvel, e ele comprou apenas a sua entrada, e falou

que o certo era cada um pagar a sua. Isso pra mim foi um basta.

Sem contar as inúmeras vezes que me fez passar vergonha, como por exemplo o dia

que quis comemorar o aniversário de casamento dos pais e nos levou numa

churrascaria. Quando foi pagar a conta não quis pagar o serviço da casa, que era

cobrado na época e ainda chamou o gerente para tentar pechinchar o valor da conta.

Foi vergonhoso!

O namoro durou 2 anos, e o único presente que ganhei em todo este tempo foi uma

blusinha e uma “Chiquinha” de cabelos. Ganhei um dia após ter terminado o namoro!

Então, você já sabe, caia fora caso conheça um cara miserável, não leve o namoro a

diante ou só vai se decepcionar, pq o desejo dele é se encostar em você. E o maior

sonho é ser sustentado por você!!!

Contos da TCP - Conto 03 - Homem Dor de Cotovelo!!!

Reações: 
 Retirado de: http://contosdecris.blogspot.com.br/2014/12/conto-homem-dor-de-cotovelo.html

Este é aquele homem que sofreu, foi traído ou abandonado, está com a maior dor de

cotovelo, e agora quer mostrar pra todo mundo que está bem e deu a volta por cima,

mas, a verdade é  que ele precisa esquecer a outra “dita cuja” a qualquer preço, e

adivinha quem ele escolheu para ser sua  muleta? VOCÊ!!!

Toda a minha infância passei em Campinas, no período das férias escolares. Lá fiz

muitas amizades, e conheci o João.

O João era minha paixonite de infância e foi ele que me beijou pela primeira vez.  O

tempo foi passando, fomos crescendo e a amizade continuou. Eu sempre ligava pra ele

em datas especiais como Natal, aniversário, e foi num momento destes que ele

enxergou a oportunidade de voltar a ficar bem emocionalmente.

Eu estava num momento de fragilidade emocional , pois tinha terminado um namoro

de 4 anos há pouco tempo, me sentia carente, e tem perigo maior do que uma mulher

carente?

Um dia o telefone toca (parece letra de música sertaneja), era o João. Disse que queria

passar uns dias em São Paulo. Eu falei que poderia ficar em casa, e no sábado pela

manhã, lá estava ele tocando a campainha de casa.

Ele era um cara divertido, muito gentil. Sempre carinhoso, mas desde o princípio, não

parava de falar de sua ex. Era visível que ele estava sofrendo com o término de seu

relacionamento, a cada 5 palavras, 4 eram sobre sua ex, o que ela gostava e não

gostava! Em dois dias eu descobri mais coisas sobre ela do que de meu irmão do meio.

Ele dava a maior bandeira que ainda gostava dela. Morava em Campinas, eu em São

Paulo. Um namoro à distância e com o perigo morando ao lado! Eu tinha motivos mais

que suficientes para  ter ido com calma e não deixado me levar por sua boca sedutora,

mas, a burra aqui ficou de quatro quando ele falou que eu era especial, que gostaria de

me namorar. Eu ia para Campinas um final de semana sim, outro não e minha vida

passou a ficar bastante agitada, pois eu viajava na sexta após o trabalho e só voltava

na segunda, direto para o trabalho também. Como eu não tinha carro, tinha que viajar

de ônibus, e era um caminho longo até a rodoviária, mas, nem me importava de andar

com uma mala maior que eu, cansada, mas feliz, porque iria ver meu namorado,

estava apaixonada!

Eu quase não via mais a minha família e amigos, estava sacrificando meus dias de

descanso, abrindo mão de estar com meus familiares e amigos por um namoro que eu

nem sabia se iria dar certo.

Ele queria que sua ex nos visse juntos, descobri isso numa certa vez que armou uma

situação para isso acontecer. O pior é que ele fez o maior teatro, me abraçando e

beijando exageradamente na frente dela, que saiu toda enciumada e irritada do local!

Me senti péssima, mesmo assim não tomei nenhuma atitude e continuei com o

namoro, fingindo  não enxergar a verdade, ele não gostava de mim, estava apenas me

usando para causar ciúmes a ela.

Ele passou a inventar desculpas para viajar e vir me ver. Ligava menos.

E o óbvio aconteceu, numa tarde qualquer ele me ligou e disse que não se sentia

apaixonado o suficiente para continuar comigo!

Eu soube depois que ele tinha voltado com ela.

Confesso que eu me senti usada, decepcionada...  Bom, mas pelo menos parei de

gastar tanto com passagens de ônibus, taxi e tudo mais.

Se o cara que você conheceu ou tá afim, só fala do passado, deixe que ele resolva seus

problemas e volte para o presente, daí sim, você pode tentar conhecê-lo. Passar de um

amor para outro, sem curar as feridas do passado, não vai adiantar. Pq no fundo, a

pessoa não se deu conta de que aquele relacionamento realmente chegou ao fim e

não estará pronto para uma nova etapa em sua vida.

Ele vai ficar com você pensando na ex, rondando, se mostrando disponível caso ela

queira reatar, e te dar um pé no traseiro quando isso acontecer.

Ex- namorados são como as figurinhas, e figurinha repetida não completa álbum, e

você é a figurinha da vez, mas, não é repetida!!!

Max Gehringer